Edições

Print
Luís Vaz 73
AA.VV.
Poema de Luís Vaz de Camões.
Música electrónica de Jorge Peixinho (originalmente produzida no Instituut voor Psychoakustika en Elektronische Muzíek, IPEM, Gand, Bélgica).
Textos e diapositivos de Ernesto de Sousa; colaboração plástica de Fernando Calhau.
sem informação
18,5X23,6cm
4 páginas encasadas e não numeradas
sem informação
1976 (Fevereiro)
sem informação
não tem
Offset, uma cor (preto).
A publicação “Luís Vaz 73” foi concebida no âmbito de uma instalação mixed-media. Tratou-se de um trabalho colaborativo, com música electrónica de Jorge Peixinho e imagens de Ernesto de Sousa, baseado num poema de Camões.?Ernesto de Sousa usou ainda material concebido para Almada, Um Nome de Guerra.
Jorge Peixinho, Ernesto de Sousa e o Grupo de Música Contemporânea de Lisboa, apresentaram esta obra no V Festival Internacional de Mixed Media em Gent, a convite de Godfried-Willem Raes. “Luís Vaz 73” foi apresentado em Coimbra, Bruxelas, Lisboa, Évora, e Viana do Castelo.
Esta publicação contém textos de Godfried-Willem Raes “ Revelações Portuguesas no V Festival Intermédia de “Mixed-Media”, Gand, 1975” (anteriormente publicado na revista Colóquio nº22, 1975), textos de Ernesto de Sousa e de Jorge Peixinho.

“Luís Vaz 73” contém um gráfico desenhado por Godfried-Willem (revista Colóquio), fotografia de Jorge Peixinho durante a gravação da música “Almada, um nome de Guerra” e, fotografia de Ernesto de Sousa durante “Nós não estamos algures”.

Edição bilingue, português e inglês.
id